Móveis de jardim

Jardineiro


O jardineiro: o que ele faz


O jardineiro é quem cuida do cultivo de plantas, geralmente para fins ornamentais. A atividade pode ser praticada tanto como um hobby quanto como uma atividade profissional real; nos últimos tempos, além disso, está se espalhando uma prática conhecida como terapia de jardim, que consiste essencialmente em escolher a jardinagem como uma atividade socializadora ou de reabilitação em instituições ou prisões. O jardineiro, portanto, cuida da criação e manutenção de um jardim, público ou privado, composto de plantas ornamentais, mas também de culturas agrícolas que, em certas áreas caracterizadas por condições climáticas favoráveis, podem se tornar características da jardinagem ornamental: pense apenas no oliveiras usadas para fins decorativos ou limões, geralmente cultivadas na varanda.

Manutenção de jardins e remoção de ervas daninhas



O jardineiro tem a tarefa de lidar com a manutenção de maneira regular e constante, tanto em estufas quanto ao ar livre, removendo flores murchas, removendo ervas daninhas e cuidando das doenças possivelmente causadas por parasitas, além de podar galhos e folhas regularmente de modo a garantir um desenvolvimento harmonioso e equilibrado da planta (seja árvore, arbusto, sebe, flor ou arbusto) do ponto de vista estético e funcional. No contexto do jardim ecológico, ou do jardim natural, por outro lado, as intervenções de manutenção devem ser limitadas aos termos mínimos, para que a área seja acessível e facilmente acessível, também para favorecer o equilíbrio com gramados e sebes que eles são intrinsecamente instáveis. Além disso, o jardineiro lida com a multiplicação de plantas, que pode ser realizada por enxerto, estratificação, corte, ramificação, divisão de rizomas, bulbos, tubérculos e estolões e, finalmente, semeadura. Cada vez mais, nos últimos tempos, ele também tem a tarefa de projetar jardins, de acordo com a arte do design de jardins, a meio caminho entre botânica, jardinagem, design e arquitetura.

A história do jardineiro: do Egito antigo à Grécia, passando entre persas e babilônios


No que diz respeito ao cultivo de plantas para fins alimentares, remonta aos tempos mais antigos, o jardineiro como curador de um jardim ornamental aparece, de acordo com as evidências históricas disponíveis, em 1500 aC no Egito. Mas não faltam testemunhos nesse sentido também entre persas e babilônios (mesmo os Jardins Suspensos da Babilônia foram inseridos entre as Sete Maravilhas do Mundo), e mais tarde na Grécia antiga.

O jardim italiano, os jardins francês e inglês



No que diz respeito ao nosso país, é no século XV que a concepção de um jardim italiano se espalha de acordo com um significado arquitetônico e decorativo. Se pensarmos no jardim do Castello di Firenze, podemos observar como a típica topiaria do Renascimento gera efeitos panorâmicos de grande impacto visual: por exemplo, as avenidas são usadas como eixos de perspectiva, entre terraços e jardins suspensos .
Igualmente famoso é o jardim francês, que difere do jardim italiano essencialmente devido à ausência de terraços, obviamente devido à conformação puramente plana do solo além dos Alpes. Há também declives suaves, combinados com vistas em perspectiva muito amplas e o parterre de broderie, ou seja, bordados feitos com areias de cores diferentes (bege, amarelo, vermelho e branco) nos canteiros, com pequenas sebes, geralmente de anão de buxo. Também são conhecidos os jardins ingleses, desenvolvidos na terra de Albione a partir do século XVIII. É uma concepção completamente diferente da italiana, no sentido de que se baseia na criação de um território que quer parecer natural, mesmo deixado ao acaso, bastante selvagem. A topiaria foi abolida, bosques, terraços, canais e canteiros desapareceram, para dar lugar a pequenas encostas, riachos, pequenos grupos de árvores, pequenos lagos nos quais se refletiam ruínas góticas falsas. Em essência, falamos de paisagismo, querendo indicar com esse termo o desejo de misturar paisagem e jardim.

O jardim japonês



O jardim japonês, conhecido como Nihon teien, merece uma menção especial: um ambiente tradicional caracterizado por paisagens em miniatura, às vezes realizadas de maneira estilizada e muito abstrata. Imagine o Tsubo-niwa, pequenos jardins localizados em pátios, ou Roji, caracterizado por um toque rústico, completo com uma casa de chá onde cha no yu sobe ao palco. Os karesansui, por outro lado, são zen, jardins rochosos, onde a água é substituída por areia branca, enquanto paisagens compostas constituem o kaiyu-shiki-teien. Em suma, o jardim japonês visa recriar um prazer visual e estético, com influências chinesas notáveis.

Uma arte e uma profissão


Como se pode observar, enfim, mesmo do ponto de vista histórico, o jardineiro, assim como a profissão, é uma arte real, que pressupõe saber combinar estética e funcionalidade, impacto visual e praticidade. A tarefa do jardineiro, em essência, é criar, crescer, desenvolver de maneira harmoniosa e manter as plantas (sebes, árvores, arbustos, arbustos, trepadeiras, canteiros de flores etc.), mas também recriar ambientes naturais sob a bandeira de harmonia e equilíbrio: espaços verdes em que é possível viver, relaxar e respirar.